Simule seu investimento em mogno africano no Polo Florestal: Simular

Você sabe o que é reflorestamento e a sua diferença com a restauração florestal e florestamento? Saiba tudo neste artigo!

O Brasil é conhecido internacionalmente por suas grandes florestas, mas também, infelizmente, por ser um dos países que mais desmata. Por causa dessa devastação, o reflorestamento se tornou um dos assuntos mais falados nas últimas décadas. Mas você realmente sabe o que é reflorestamento? 

Se acha que reflorestar é simplesmente o ato de plantar qualquer tipo de árvore, você está enganado. O reflorestamento é muito mais do que isso.  Além disso, você sabe qual é diferença entre reflorestamento e recuperação florestal? E sabe que existe mais de um tipo de reflorestamento? Interessante não? Então continue lendo o artigo para descobrir mais sobre esse fascinante tema.

Tipos de reflorestamento

Considerando que reflorestamento é a plantação de árvores nativas ou exóticas em uma área que um dia foi uma floresta, podemos separá-lo em dois tipos: 

  • Heterogênea: é plantio de diversas espécies de árvores na mesma área, que é o caso do reflorestamento ecológico, também é chamado de restauração florestal. 
  • Homogênea: quando é realizado o plantio de apenas uma espécie de vegetação em determinada área. Por exemplo, o reflorestamento comercial é do tipo homogêneo.

A diferença entre reflorestamento, restauração florestal e florestamento

A confusão entre esses três termos é muito comum por serem parecidos, mas suas diferenças são claras. Por exemplo, quando tratamos de reflorestamento o objetivo é o plantio de árvores para a formação de uma floresta, a qual não precisa ter a mesma estrutura florestal original da área desmatada. Além disso, no reflorestamento pode haver extração futura dessas árvores para fins comerciais. 

O termo reflorestamento designa a plantação de árvores nativas ou exóticas, em povoamentos puros ou mistos, para o desenvolvimento de uma estrutura florestal em área onde havia uma floresta que foi desmatada. 

Enquanto a restauração florestal o intuito é conseguir recuperar exatamente como era ecossistema florestal original da área devastada e preservá-la.

A restauração florestal também é comumente confundida com o reflorestamento ecológico, que visa auxiliar na recuperação de um ecossistema nativo da floresta, buscando atingir condições similares de composição, estrutura e funcionamento aos dos remanescentes florestais de referência (Adaptado de Aronson et al. 2011).

O reflorestamento desse tipo é importante para proteger e recuperar os serviços ecossistêmicos da região, porém não é possível refazer um ecossistema idêntico ao original. 

Segundo Manoela Imamura Hernandez, especialista em Ciências Ambientais para o Blog eCycle, outro termo existente é a recomposição florestal, que é “a compensação do volume de matéria-prima florestal extraído de vegetação natural pelo volume de matéria-prima resultante de plantio florestal para geração de estoque ou recuperação de cobertura florestal”, ou seja, é o reflorestamento de mata nativa com o objetivo de repor o que foi desmatado.

Vegetação natural do local

Para esse plantio, geralmente são escolhidas espécies de acordo com a vegetação natural do local. Também são escolhidas árvores frutíferas e com floração atraente para atrair animais e insetos para realizar a dispersão de sementes. Outro fator muito importante para o sucesso do projeto de reflorestamento ecológico é a diversidade de espécies por hectare.

Esses projetos de restauração florestal são realizados com frequência perto de corpos hídricos e ganham destaque devido aos inúmeros benefícios. Protegem e mantém a qualidade da água, além de diminuir os gastos com o seu tratamento.

Outro termo que gera confusão com o reflorestamento é o ‘florestamento’. O termo florestamento é usado para denominar o plantio de árvores em locais que não tiveram vegetação, ou seja, onde não haviam historicamente florestas.

Reflorestamento comercial

A prática de reflorestamento iniciou-se há quase um século quando o primeiro Código Florestal foi lançado em 1934 devido aos grandes desmatamentos para extração de madeira. Foi apenas com o Código Florestal seguinte, de 1965, que houve realmente uma mudança no manejo das florestas. 

Entre 1965 e 1988, o poder público começou a estimular o reflorestamento via incentivos fiscais. Apesar das fraudes e plantações mal sucedidas, este código gerou mudanças positivas pois houve grande expansão das áreas reflorestadas predominando monoculturas de Pinus e Eucalipto, fazendo com que a extração ilegal de madeira fosse reduzida.

Atualmente esse cenário de expansão de florestas comerciais ainda prossegue. Hoje a maior parte desse tipo de reflorestamento é feito com Eucalipto (70,8%) e Pínus (22%), enquanto outras espécies (7,2%) como Acácia, Seringueira, Paricá, Teca, Populus e Mogno Africano também estão presentes nessa expansão, mas em quantidades menores.

Os grandes “reflorestadores” são empresas de papel e celulose ou também as siderúrgicas que produzem o carvão vegetal. Ademais, o clima e o solo brasileiro favorecem o crescimento dessas espécies, transformando o país em um dos maiores produtores de produtos oriundos de reflorestamento do mundo.

Conheça o Aplicativo Minha Floresta para gerenciamento da sua floresta de Mogno Africano na palma de suas mãos AQUI!

Reflorestamento com Mogno Africano

Os investidores brasileiros estão de olho nos investimentos verdes que são compostos por ativos florestas, entre eles o reflorestamento comercial de Mogno Africano (Khaya grandifoliola). Essa espécie fornece madeira nobre de alta qualidade e com retorno mais rápido comparado à outras lavouras de florestas nobres. 

Para se ter uma ideia, a partir do 17º já é possível fazer o corte raso do Mogno Africano e o valor de mercado de sua madeira em pé pode chegar até € 600,00 para cada metro cúbico

Outro ponto interessante sobre as áreas reflorestadas para fins comerciais são destinadas para produção industrial. Algumas áreas são criadas para a captação dos gases efeito estufa para comercializá-los no mercado de carbono. Os compradores geralmente são empresas ou governos de países desenvolvidos que necessitam alcançar valores de redução de emissão dos gases (por exemplo, o estipulado no Protocolo de Quioto).

Portanto, agora que vimos sobre reflorestamento e todos os seus termos, podemos compreender que é algo complexo e um pouco diferente do que o senso comum costuma acreditar. Entendemos também que existem mais de um tipo e que uma opção de reflorestamento comercial é o plantio de Mogno Africano.  

Quer saber mais sobre o Mogno Africano? Baixe a nossa planilha gratuita de investimento em Mogno Africano.

Entenda mais sobre o Lucro do Mogno Africano no vídeo a seguir: