Características e qualidades das mudas para reflorestamento: da semente ao plantio

Qualidade de mudas para reflorestamento

Características e qualidades para reflorestamento

Determinadas características definem a qualidade de uma boa muda para reflorestamento que resultam em um plantio de sucesso. Para isso é importante conhecer desde a procedência da semente até o desenvolvimento da muda dentro do viveiro e o transporte para o plantio.

Se você está pensando em investir em reflorestamento, seja para fins comerciais ou conservacionista, e deseja comprar as mudas, é necessário ficar atento a alguns pontos.

Sementes de boa procedência

Mudas para reflorestamento precisam ter qualidade. Para isso o primeiro passo são as sementes de boa procedência. Primeiramente, é essencial que as sementes sejam selecionadas garantindo o uso apenas das que são sadias, livres de predação ou doenças. Logo após esse processo é importante já realizar o plantio em recipientes ou em sementeiras, evitando, preferencialmente, o armazenamento por muito tempo.

Mas como identificar se a muda do viveiro que você está comprando é procedente de uma boa semente? Podemos dizer que a qualidade da muda que vamos apresentar a seguir é reflexo desse primeiro passo da escolha das sementes.

Limpeza dos viveiros, recipientes e controle de doenças e pragas

A qualidade das mudas é reflexo de viveiros organizados e com condições mínimas para o crescimento das plantas. As mudas para reflorestamento devem ser produzidas em viveiros com corredores e recipientes limpos. Essa ação colabora para o crescimento das mudas sem pragas ou ervas daninhas.

O controle das doenças e pragas devem ser realizados com frequência nos viveiros. Folhas murchas, amareladas e cortadas indicam que as mudas estão sendo atacadas por pragas ou doenças. Um viveiro organizado e limpo, consegue identificar esses fatores e tomar as medidas necessárias para o controle imediato.

Tamanho médio das mudas para reflorestamento

Ao comprar mudas é necessário ficar atento ao tamanho médio para a realização do plantio no campo, que pode variar dependendo da espécie.

A recomendação é a muda para reflorestamento possuir no mínimo entre 20 e 30 cm de altura para espécies nativas do cerrado, enquanto para ambientes florestais é indicado mudas de 50 cm, de acordo com o Manual de viveiro e produção de mudas da Editora Rede de Sementes do Cerrado.

Boa aparência

Uma muda de qualidade possui boa aparência e a seleção para o campo deve acontecer ainda no viveiro. É importante analisar a estrutura da muda como caule, ramos, folhas, cores e dar preferência as mudas saudáveis e com boa aparência.

Por exemplo, um torrão bem formado apresenta raízes com coloração branca comprovando que a raiz está ativa e consequentemente terá um bom desenvolvimento no campo. O caule lignificado reflete maturidade e as folhas sadias demonstram um controle de pragas e doenças efetivo.

Uma observação, é que as mudas para reflorestamento produzidas em tubetes são mais difíceis de possuir raízes enoveladas, uma vez que os tubetes possuem estrutura para o crescimento correto das raízes.

Endurecimento ou rustificação antes do plantio

Mudas para reflorestamento prontas para o plantio no campo devem passar pelo processo de endurecimento ou rustificação. Esse processo reduz o sombreamento da muda e a irrigação, permitindo a planta ficar exposta à condição que ela enfrentará no campo.

Esse período de adaptação precisa ser realizado em pelo menos 30 dias antes dela ser levada ao local do plantio. Isso garante a qualidade da muda e o seu bom desenvolvimento nas condições do campo.

Transporte das mudas para o plantio

Após todo cuidado com a seleção das sementes, limpeza do viveiro, controle de pragas e escolha das mudas é necessário transportá-las para o local onde será realizado o reflorestamento.

Essa fase do transporte é de extrema importância. É preciso cuidado para não machucar ou quebrar a muda. Caso o percurso seja muito longo, é possível que as mudas cheguem com coloração amarelada e até um pouco murchas, mas esses aspectos são revertidos facilmente.

Plantio de sucesso

Mudas de qualidade garantem reflorestamentos de sucesso, mas para o plantio realmente ter resultados satisfatórios é necessário ser realizado corretamente. Para isso, é importante seguir alguns passos.

O primeiro passo é avaliar o local e a distância que as mudas serão plantadas. Essa distância deve ser definida de acordo com a espécie, podendo ser plantada de forma aleatória ou sistemática. O espaçamento também pode variar conforme o tipo do reflorestamento. Por exemplo, em reflorestamento conservacionistas é levado em conta o tipo de vegetação a ser restaurado, enquanto os comerciais, que visam a cultura agrícola de uma espécie, podem ter espaçamentos padrões.

É importante também preparar o solo onde as mudas serão plantadas. Um solo degradado em que apenas foi aberto a cova, não oferecerá condições boas para o desenvolvimento rápido da planta. É preciso realizar a adubação correta do local, oferecendo condições mínimas para o crescimento.

O manuseio da muda para a realização do plantio também precisa de atenção. É preciso retirar a muda do tubete ou do saco plástico com cuidado. De preferência, retire a muda ao lado da cova onde ela será plantada. Caso esteja em um tubete umedeça a muda, segure pelo caule e dê suaves batidas na borda do tubete, assim a muda se desprenderá facilmente. Caso a muda esteja em um saquinho, basta cortá-lo.  

Para impedir a quebra da muda após o plantio é recomendado o uso de um tutor ao lado da planta. Pode ser uma haste de madeira ou uma vara de bambu para oferecer a sustentação necessária para a planta não quebrar em casos de ventos ou chuvas fortes.

Monitoramento e manutenção após o plantio

Após o plantio é primordial o monitoramento e manutenção. Muita atenção para a irrigação, pois dependendo da espécie e das condições do local é necessário irrigar por duas até três semanas após o plantio.

Realizar o controle de pragas também é essencial neste momento, evitando principalmente com que formigas cortadeiras ataquem. Espécies gramíneas invasoras é outro fator que merece cuidado, pois podem crescer e abafar a muda em desenvolvimento. Para isso não ocorrer é importante um controle efetivo do local.

A manutenção deve ser realizada no mínimo até 2 anos após o plantio da muda. Já o monitoramento deve ser contínuo acompanhando o crescimento completo da espécie até a fase adulta.

Portanto, antes mesmo de adquirir as suas mudas, verifique com o vendedor o procedimento utilizado para o desenvolvimento, recipiente e também como será feito o transporte delas. Assim, as chances de sucesso em seu plantio aumentarão significativamente.

Aproveite para baixar nosso material gratuito sobre os erros mais comuns na hora de plantar: